Aquecimento Global e Seu Antagonismo

31 de março de 2009

Nos últimos anos temos ouvido falar em aquencimento global e como isso afeta o ciclo dos ecossistemas na Terra. Mas também ouvimos teorias paralelas que afirmam que o aquecimento seria algo inevitável, inerente aos ciclos geológicos do planeta Terra… Qual dessas teorias seria verdade? Qual dessas teorias possuem fundamentos científicos que as fundamentem? Vamos pensar um pouco sobre esse tema nesse post.

A Revolução Industrial do século XVIII levou a humanidade a um novo patamar de produção de bens. O homem começa a ser “substituído” por máquinas, mais eficientes e produtivas. Essas máquinas apresentam um grande potencial para poluir o meio ambiente. Elas precisam de energia para funcionarem, que pode vir na forma de energia elétrica gerada por fontes poluentes, ou combustíveis fósseis que por si só já são poluentes. Juuntamente com a Revolução Industrial surgem as grandes fábricas que sem o conhecimento do impacto causado, começam a liberar substâncias tóxicas na atmosfera, no solo e nos rios, lagos e nascentes. E essa parte da história se prolifera até que alguns de nós percebamos o impacto causado por essas ações desenfreadas no meio ambiente, contudo, ainda encontramos céticos que desacreditam dessa verdade praticamente absoluta.

A Terra tem passado por longos períodos de estabilidade seguido por cataclismos globais que são capazes de aniquiliar as espécies vivas, ou pelo menos as que apresentam menor resistência à variações bruscas no clima, pressão e outras variáveis associadas. Desse modo teriam morrido os dinossauros e outras espécies ancestrais que não conseguiram se adaptar ao ambiente extremamente agreste implantado no planeta após os citados cataclismas de seu período. Os maias possuíam teorias que afirmavam que a terra possuía ciclos de 5125 anos e que no final de cada ciclo, uma transformação na Terra, provavelmente com extinção de espécies, acontecia e as coisas mudavam completamente. O úlitmo livro da Bíblia é dedicado ao fim dos tempos, relatando acontecimento que vemos na atualidade. No período anterior à extinção dos dinossauros as terras da Antártida não eram congeladas. É considerável supor que o derretimento dessa área congelada seria um retorno às origens.

Até onde podemos entender que o ser humano é culpado pelo aquecimento global do planeta? Claro, desmatamos, poluímos, liberamos toneladas de CO2 todos os dias na atmosfera através de nossas fábricas, de nossos automóveis. Colaboramos para o efeito estufa, o El Niño e outros problemas ambientais decorrentes da loucura do clima causada pelo aquecimento global. Mas será que isso poderia ser evitado? Será que realmente criamos um processo de autodestruição nos moldes do que ocorre com naves espaciais nos filmes de ficção? Pode muitobem ter sido um processo iniciadoantes da nossa existência, como supunham os maias e inevitável, que poderá, e provavelmente irá, nos destruir.

Bom, não estou propondo que continuemos com nossa insanidade atual. Enquanto houver esperança de salvar o planeta, devemos nos agarrar a ela…Afinal, a esperança é a última que morre. Não é assim que diz o dito popular? Deveríamos, contudo, não apostarmos todas as nossas fichas em promessas de dias melhores, muitas vezes fundamentadas em argumentos vazios e sem o alicerce necessário que se é exigido de saídas reais e verdadeiras para problemas como esse que atualmente enfrentamos. Certo, podemos não sobreviver para contar a história, mas restará a lenda para a baratinha que ficar viva que contará aos seus netinhos que no final de suas vidas, uns seres estranhos que construíam coisas grandes tentaram se salvar…

Anúncios

O Sarcasmo Exacerbado e O Cinismo do Mundo

19 de março de 2009

Existem coisas que acontecem nesse mundo que chamam tanta atenção que por mais que queiramos, não podemos deixar que passem despercebidas… E agora vou exprimir minha opinião sobre algo que recentemente vi.

Alguns dias atrás, na minha rotina diária de obtenção de informação, estava visualizando a home page do site de conteúdo da UOL, quando vi uma reportagem sobre a nova febre da internet: os microblogs, representados pelo twitter. Em uma das reportagens sobre os perfis que se destacavam no twitter, era citado o perfil sensação do twitter: o twitter do ator Vitor Fasano. Meio cético, acabei criando o meu twitter

Espantou-me o tom adotado na entrevista concedida pelo idealizador de tal twitter. O tom sarcástico predominante o tempo todo. O deboche assumido. É interessante ver alguém expressar seus sentimentos mais íntimos, seus pensamentos sobre algo na rede, mas a adoção de uma postura sarcástica quando se usa o nome de outrem é, no mínimo, execrável.

Atualmente, o sarcasmo atinge a mídias e os “pops” a usam como mecanismo de autopromoção, um modo de conseguir destaque no meio de um mundo de tantos iguais.

A sociedade observa apática, tendenciosa e, muitas vezes, intacta. A estrutura dominante não se abala, então para quê se preocupar?

O cinismo toma conta do pensar, do ser, do agir!

Pequenos erros são tão amplamente alardeados que tomam dimensões universais. Aqui, o ditado fazer tempestade em copo d’água, merece destaque! Como esconder os (re)correntes escândulos do senado e da câmara federal? Simples, convence a grande mídia a divulgar uma criança morta por assaltantes no aterrorizante trânsito de São Paulo (leia-se João Hélio), ou por que não uma criança jogada do quarto do irmãozinho de uma altura de 6 andares pelo pai e pela madastra? O cinismo toma conta e todos continuam felizes como sempre…

E para deixar feliz os descontentes, usa-se o sarcasmo como meio de mascarar intenções repreendidas e, por que não, obscuras!

Bem, somos HOMENS. E o tirar vantagem é ponto preponderante e inerente na conduta humana, mesmo quando o caso é de bem estar social, inclusive o seu…


Bem Vindos ao Mundo Fantástico

17 de março de 2009

Finalmente me rendi a escrita de minhas idéias na web. Estive relutante, mas agora cedi.

Eu usarei este espaço para expressar minha idéias, opiniões, crendices e maluquices sobre coisas que me chamem atenção nesse mundo em constante modificação, apesar de coisas imutáveis.

Se quiserem mergulhar em um mundo fantástico, essa é a hora!