4 Meses

22 de março de 2010

O que pode mudar em sua vida em 4 meses? O que ela mudou nos últimos 4 meses? Quão intenso foram os últimos 4 meses?

Pois bem, a minha vida mudou muito e intensamente. O efeito foi parecido ao provocado por um furacão, por uma tsunami. Não, não houve desestabilização, mas a metáfora é válida para expressar o tamanho, a natureza da mudança. Ao contrário da metáfora supracitada, as mudanças foram positivas, os efeitos nem um pouco novicos e a alegria radiante domina meus dias.

Feliz? CLARO! Mais feliz que nunca e cada vez mais feliz… É possível? Tudo indica que sim!

Mudei, aprendi, vivi e quero continuar mudando, aprendendo e vivendo tudo e mais…

São 4 meses de felicidades, alegrias, sonhos, planos, viagens, possibilidades e um caminho compartilhado…

Agora serão 4 X 4 X 4 X 4 X 4 X 4 X 4 X 4 … 70 + 70

Será que viverei tanto? Não importa, sei que viverei os próximos dias, meses, anos MUITO intensamente…

Anúncios

Ferida Aberta

4 de março de 2010

Pare e pense por um minuto… Quais as consequências de pequenas atitudes? O que elas significam? O que elas podem significar? Qual a causa dela? Qual o efeito dela?

Neste momento a Terceira Lei de Newton é perfeita! Toda ação tem uma reação, mesmo que algumas vezes não possam (?) ser percebidas ou até previstas…

É estranho pensar do que somos capazes, como somos capazes de nos machucar e machucar quem nos ama…

Quão profunda pode ser esta ferida? Quão difícil pode ser sua cura? Busco estas respostas, mas tenho medo delas… E se forem profundas demais para serem curadas? E se a cura for impossível? E se o tempo não der sua mãozinha?

PREFIRO não pensar, mas será que consigo? NÃO, eu não consigo. Não sou tão forte. Penso, imagino, deduzo e quanto mais faço isto, piores são as sensações e QUASE certezas que tenho…

Seria o fim suficientemente trágico? O que será o fim?

Neste momento a ferida de outrem se torna minha, pois minhas ações desencadearam reações que não queria, que não sabia como lidar, aliás, que não quero e que não sei como lidar…

Será que sou tão ruim, tão imperfeito? Por que não consigo aliar meu discurso à prática? Por que ideologicamente eu pareço melhor do que realmente sou? Estou me despindo e não gosto do que vejo…

Enquanto isto a ferida continua aberta e ampliando sua imensidão…