Educação Nas Ruas

28 de março de 2012

Passamos oito anos no ensino fundamental (agora são 9), mais três no ensino médio e alguns semestres na faculdade e continuamos ignorantes… Não aprendemos como (con)viver em sociedade e como colaborar para uma sociedade equilibrada e LIMPA!

Ando de ônibus (não por opção, mas por falta dela) e sempre vejo coisas que me incomodam demais. Uma destas coisas é quando algum passageiro após produzir seu lixo, usa a janela do ônibus como lixeira. Sim, eles jogam latas de refrigerante/cerveja, embalagens de amendoim mendorato, cascas de amendoim cozido e outros itens.

Inúmeras vezes pensei em conversar com a pessoa e encorajá-la a não fazer tal ação, mas por receio de uma reação agressiva sempre evitei esta atitude.

É interessante notar como sempre reclamamos do “governo” quando aquelas chuvas torrenciais alagam a cidade e os boeiros, entupidos, não conseguem dar vazão ao grande volume da água, mas poucas vezes pensamos em como nossas pequenas ações auxiliam para que estes boeiros fiquem entupidos e que a cidade fique alagada.

Imagem

Gostaria de viver em um mundo onde as pessoas fossem tão conscientes que jogar uma simples embalagem de lixo na rua seria um absurdo tão ABSURDO que ninguém ousaria nem pensar em pensar em fazer…

Mas, já que não posso mudar o mundo, faço a minha parte: retenho minhas produções diárias de lixo até a próxima lixeira! 😉

Anúncios

Orgulho de ser BAIANO

18 de março de 2012

Quanto mais o tempo passa, mais orgulho sinto de minhas origens! Orgulho de ser brasileiro, nordestino, baiano e tucanense!

Sou um rapaz oriundo de uma família humilde de uma cidade pequena e sem muita importância no sertão baiano. Sou natural de Tucano/Bahia/Nordeste/Brasil. Sou latino-americano.

Saber do que o baiano é capaz, de como ele se vira neste mundo cada vez mais cruel e desumano, torna-me uma pessoa confiante e feliz.

Lembro-me, e nunca esquecerei, de uma cena que protagonizei quando criança (tinha 8 anos e estava na 2ª série do ensino fundamental). Morava em São Paulo e estudava em uma escola estadual. A professora havia solicitado que recortássemos palavras que fossem formadas por ha, he, hi, ho ou hu em revistas e jornais. Minha família não tinha nada disse e não pude completar a lição.

No outro dia falei para a professora que não tinha feito o exercício, mas o meu estado tinha h no nome, mas não sabia se atendia (ainda não tinha aprendido a separar sílabas corretamente). A professora pediu que escrevesse o nome do meu estado no quadro e explicou à classe. Lembro-me das piadinhas e palavras de chacota. Minha professora mandou eu falar que tinha orgulho de ser baiano, mas eu não sabia o que era orgulho e fiquei atônito, imóvel.

Hoje, arrependo-me de não ter dito que sentia MUITO orgulho de minhas origens, do estado que nasci, deste estado que tantas alegrias me dá, que tem tantas belezas, que tem um povo amável e acolhedor!

Quer me conquistar? Fale bem de meu estado! Quer me deixar puto da vida? Fale mal do meu estado!

Sinto muito, muito, muito, muito ORGULHO de ser BAIANO!!!